Última hora

Última hora

Quirguistão nos passos da democracia

Em leitura:

Quirguistão nos passos da democracia

Tamanho do texto Aa Aa

Eleições para eleger um primeiro-ministro, e um Parlamento para restaurar a estabilidade política no Quirguistão, abalado nos últimos meses por uma nda de violência étnica que matou mais de 400 pessoas.

A presidente do Quirguistão advertiu contra qualquer tentativa de “desestabilização” durante as eleições que avisou que qualquer acto de violência será reprimido pelas forças de segurança.

Este escrutínio deve permitir a consagração da mudança de regime de um presidencialismo forte para uma república parlamentar, seis meses depois da revolução sangrenta que depôs o presidente Kurmanbek Bakiev.

Estas são “as primeiras eleições livres e democráticas em vinte anos de independência” desta ex-república soviética da Ásia Central.

De acordo com a nova Constituição, aprovada em em junho passado, a maioria legislativa será responsável por designar o primeiro-ministro, chefe máximo do poder Executivo.

Os poderes do presidente da República, cargo exercido atualmente por Rosa Otunbayeva, ficarão reduzidos a funções de representação.

A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa pediu que as forças políticas do Quirguistão respeitem os resultados das eleições.