Última hora

Última hora

Hafez Ghanem: mil milhões de pessoas sofreram de fome em 2009

Em leitura:

Hafez Ghanem: mil milhões de pessoas sofreram de fome em 2009

Tamanho do texto Aa Aa

Por ocasião do Dia Mundial da Alimentação,
Hafez Ghanem, sub-director-geral da organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, explica o aumento de preço dos cereais, em duplex, à euronews.

Didier Burnod – Senhor Ghanem, desde há alguns meses constatamos que há uma subida no preço dos cereais que atinge os 60 por cento, no trigo, e 40 por cento no milho. A procura e a oferta continuam estáveis. Como explica o fenómeno?

Hafez Ghanem – Esta escalada dos preços começou em fins de Julho com a seca na Rússia. A seca causou uma baixa de produção da Rússia que, como sabem, é um dos maiores exportadores de trigo.

Depois houve algumas decisões políticas como, por exemplo, a restrição às exportações russas… e, na semana passada, foi finalmente anunciada uma baixa de produtividade nos Estados Unidos, que afecta o trigo e o milho.

Mas é verdade que, a nível global, a oferta e a procura, hoje, estão em situação de equilíbrio. Até porque começámos o ano com um nível de armazenamento relativamente elevado.

D.B. – Precisamente, quais são os primeiros países, os primeiros povos afectados por esta escalada dos preços?

H.G. – Em situações idênticas são sempre os mais pobres, os mais vulneráveis, que têm de importar os produtos alimentares, principalmente em África e na Ásia.

E, estamos, actualmente, numa situação em que 16 por cento da população mundial esta subnutrida, 30 por cento em África.

Esperamos que agora, de algum modo, isto tenha um efeito positivo. Se este aumento incita os produtores, principalmente nos países em desenvolvimento, a produzirem mais, a melhorarem a produtividade.

D.B. – Em relação à crise mundial….

Ouça, na verdade há um grande impacto. Um impacto directo da crise nos rendimentos das famílias – nomeadamente das mais pobres – por causa da baixa da actividade económica. E em virtude da diminuição de emprego, de oportunidades de trabalho; tudo junto resultou num aumento da pobreza e da fome. No ano passado, 2009, mil milhões de pessoas sofreram de fome devido à crise financeira e ao nível elevado dos produtos alimentares.