Última hora

Última hora

Guillermo Fariñas: "Este prémio é um triunfo colectivo da causa democrática"

Em leitura:

Guillermo Fariñas: "Este prémio é um triunfo colectivo da causa democrática"

Tamanho do texto Aa Aa

Pouco depois do anúncio do Parlamento Europeu, a euronews conseguiu falar ao telefone com Guillermo Fariñas, na sua casa em Santa Clara:

“Esta novidade, é preciso interpretá-la de forma modesta e combatente, falo de combate pacífico. Modestamente, porque, mesmo se é um prémio atribuído a Guillermo Fariñas, é também um prémio para todos os cubanos exilados, para todos os prisioneiros políticos cubamos e todos os dissidentes que neste momento lutam para que Cuba seja um dia livre e democrática. Eis a minha interpretação. Este prémio é um triunfo colectivo da causa democrática. Acredito que, num dia como este, todos os democratas, em qualquer parte do Mundo, e qualquer que seja a ideologia, devem sentir-se orgulhosos.”

“Acredito e espero não me enganar dizendo que se trata de uma mensagem do Parlamento Europeu para o governo cubano de que a libertação de prisioneiros não é suficiente para que os europeus mudem de posição face a Cuba. Porque as leis que permitiram a detenção de inocentes durante sete anos e, alguns ainda estão na prisão, essas leis ainda existem e são inamovíveis. O governo cubano deve respeitar a Declaração dos Direitos do Homem de forma prática para que uma democracia seja possível e para que o medo desapareça da sociedade cubana. Só quando isso for feito é que os europeus poderão começar a trabalhar para mudar a posição comum.”

“Gostaria de poder viajar para receber o prémio. A partir de agora, a opinião pública internacional e nacional devem manter-se muito atentas, porque o governo cubano diz que respeita os direitos do Homem e há um artigo da declaração que diz que todo o ser humano tem o direito de entrar e sair do seus país. Veremos agora se o governo respeita ou não esse direito.”

“Este prémio dedico-o em particular a Orlando Zapata Tamayo e a Pedro Luis Boitel. São dois mártires, mortos pela greve de fome contra a ditadura de Fidel Castro. Dedico também este prémio a todos os cubanos que morreram pela libertação e pela democracia em Cuba”.