Última hora

Última hora

CEO da FIAT diz que construtor "faria melhor sem Itália"

Em leitura:

CEO da FIAT diz que construtor "faria melhor sem Itália"

Tamanho do texto Aa Aa

A FIAT volta a estar no centro de polémica em Itália.

As razões não se devem a uma nova situação financeira desastrosa da empresa ou a uma supressão maciça de postos de trabalho, mas às controversas declarações de Sergio Marchionne num programa televisivo, segundo as quais a “Fiat faria melhor sem a Itália”.

O presidente executivo da construtora automóvel transalpina afirmou que “não há nem um investidor estrangeiro que invista um euro em Itália. É quadragésima oitava em termos de competitividade, centésima décima oitava em termos de eficiência do trabalho.”

As polémicas declarações de Marchionne foram de imediato comentadas e criticadas pela classe política, nomeadamente pelo presidente da câmara dos deputados e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Gianfranco Fini.

Depois de dizer que o presidente executivo da FIAT falou mais enquanto canadiano do que italiano, numa alusão às origens de Marchionne, Fini referiu que se a FIAT ainda é um gigante no sector automóvel deve-o ao importante investimento feito pelo Estado e pelos contribuintes italianos.

Alguns sindicatos acusam Marchionne de querer abandonar Itália e recorrer à subcontratação de serviços para a produção.

O presidente executivo da FIAT confirmou que vai encerrar a fábrica da companhia em Termini Imerese, na Sicília.