Última hora

Última hora

Divergências atenuam-se no início da cimeira europeia

Em leitura:

Divergências atenuam-se no início da cimeira europeia

Tamanho do texto Aa Aa

Apesar da polémica, Nicolas Sarkozy e Angela Merkel chegaram a Bruxelas determinados a impor o acordo para endurecer a disciplina orçamental na União. E no início da cimeira europeia, as divergências começam a atenuar-se.

Segundo fontes em Bruxelas, a maioria dos países será já favorável a uma alteração limitada do Tratado de Lisboa, para incluir um fundo de socorro permanente. Mas o eixo franco-alemão continua isolado quanto à imposição de sanções políticas aos países sem rigor orçamental.

Tudo indica que o presidente do Conselho Europeu irá obter um mandato para apresentar propostas sobre a forma como se vai realizar a alteração do tratado, como explica o nosso correspondente, Sergio Cantone: “Herman Van Rompuy, o presidente do Conselho Europeu, poderá surgir com novas propostas após estes dois dias de reunião e apresentar em Dezembro uma nova capaz de convencer os outros Estados membros.”

E quando se fala de estabilidade financeira, há um outro tema na agenda: o aumento do orçamento da União Europeia. Em tempos de crise, o Reino Unido e David Cameron querem bloquear o aumento de quase 6% votado pelo Parlamento Europeu. À entrada da cimeira, o primeiro-ministro britânico foi claro: “Penso que é inaceitável a proposta de aumento quando todos os países, incluindo o Reino Unido, estão a implementar medidas difíceis para reduzir os défices e as despesas. Está errado”.

Não faltam apoios, mas Cameron não deverá conseguir bloquear o aumento. As negociações estão em curso. Os Estados membros não querem ir além dos 3% de aumento.