Última hora

Última hora

Van Rompuy: "todos concordam com a necessidade de um mecanismo de crise"

Em leitura:

Van Rompuy: "todos concordam com a necessidade de um mecanismo de crise"

Tamanho do texto Aa Aa

Fortalecido pelo novo papel no seio do espaço comunitário, o presidente da União Europeia prefere destacar os resultados do encontro de Bruxelas, pondo de lado as divergências.

Questionado sobre as divisões entre Estados-membros que obrigaram a longas horas de duras negociações, Herman Van Rompuy diz que “isso não tem qualquer importância. Todos concordam sobre o princípio de que um mecanismo permanente de crise é necessário. E, para tal, é necessária uma modificação limitada do Tratado”.

Outro tema de discórdia em Bruxelas, o orçamento comunitário. Londres opõe-se ao aumento de 6 por cento aprovado no Parlamento Europeu, num clima de contenção financeira. Para o líder dos eurodeputados socialistas, os fundos terão de ser vir de algum lado. Martin Shultz sublinha que “são mantidas as despesas da agricultura, mas agora temos o serviço diplomático e mantemos o mesmo orçamento. Será preciso cortar nalgum sítio, seja na pesquisa, no desenvolvimento, na educação ou nas infraestruturas”.

Os Estados-membros aceitaram, até ao momento, um aumento de apenas 2,9 por cento no orçamento de 123 mil milhões de euros da União Europeia. Para o Reino Unido, um subida de 6 por cento é “inaceitável” num momento em que muitos países assumem políticas nacionais de grande austeridade financeira.