Última hora

Em leitura:

A inquietante situação dos jornalistas na Rússia


Rússia

A inquietante situação dos jornalistas na Rússia

Na semana passada, dois jornalistas foram agredidos na Rússia, entre os quais Oleg Kachine, correspondente do diário Kommersant. Na terça-feira, um grupo de deputados apresentou uma proposta de projecto de lei que agrava as sansões contra os agressores de jornalistas. O texto contempla penas de 20 anos a prisão perpétua.
Temos connosco a partir de Moscovo Vsevolod Bogdanov, presidente da União dos Jornalistas Russos.

euronews: Senhor Bogdanov, segundo os observadores estrangeiros, oito jornalistas foram assassinados na Rússia em 2009 e só num dos casos os autores compareceram perante a justiça. Qual é a estatística que tem dos crimes cometidos contra jornalistas russos?

Vsevolod Bogdanov: Todos os anos no dia 15 de Dezembro organizamos uma cerimónia de homenagem aos colegas assassinados. Expomos 300 fotografias de colegas assassinados nos últimos 20 anos. Se falamos da estatística dos crimes elucidados – em cada 15 ou 20 assassinatos, apenas um ou dois autores são identificados e punidos, mas até agora nunca conseguimos saber quem está por detrás desses crimes.

e:Quem, na sua opinião, deve ser responsabilizado pela violência contra os jornalistas. Qual é o papel do poder local?

V.B Penso que é o poder o responsável. Porque após o desmemebramento da União Soviética, a ideologia foi substituída pelas tecnologias políticas. Estas tecnologias servem para desenvolver campanhas eleitorais e as pessoas que dominam essas tecnologias fazem tudo para que os jornalistas tenham cada vez menos importância e não desempenhem qualquer papel na formação da opinião pública. Os responsáveis situam-se a diferentes níveis, a começar no poder supremo e a terminar no poder local. Houve diversos ataques contra jornalistas por causa da floresta de Kimki. As autoridades locais acham que podem fazer tudo, que são omnipotentes e que a sociedade, e sobretudo os jornalistas dos media locais, não significam nada.

e:Como se explica um tão grande nível de violência na sociedade. Quem poderá por cobro a isto?

V.B:Penso que, por um lado, a própria sociedade, por outro os jornalistas, por si próprios, claro. É preciso fazer os possíveis para que o estatuto juridico e social dos jornalistas seja adequado à actividade e à sua importância na vida das pessoas, da sociedade e do país. E, claro, penso que muita coisa depende das autoridades: do parlamento e do presidente. Como fazer para que a sociedade volte a confiar nos seus medias? Para que deixem de ser empregues palavras negligentes contra os jornalistas e o trabalho que fazem, uma vez que estas palavras são introduzidas pelas tecnologias políticas de que já falei e cujo objectivo é dissolver a confiança da sociedade nos jornalistas? Creio que o presidente Medvedev compreende esta situação e o seu aspecto trágico. E o facto de ele abordar o problema de forma concreta e de exigir soluções o mais depressa possível faz-me esperar que a situação esteja a começar a mudar e que saberemos o nome daqueles que comandam os crimes contra os jornalistas e dos que os executam.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Jornalistas pedem acção ao Kremlin