Última hora

Última hora

Vaticano acusado de planear assassinato do Papa João Paulo II em 1981

Em leitura:

Vaticano acusado de planear assassinato do Papa João Paulo II em 1981

Tamanho do texto Aa Aa

O homem que tentou assassinar o Papa João Paulo II, em 1981 na cidade de Roma, acusa o Vaticano de planear o ataque.

Mehmet Ali Agca falou pela primeira vez numa entrevista à televisão turca, desde que foi libertado em Janeiro, ao fim de 29 anos de prisão.

Três décadas após o crime, as motivações do homicídio continuam ocultas, mas não por muito mais tempo, pelo menos no que depende do turco que se intitula “o eterno Messias”.

“Jornalista: Disparou sobre o papa a mando de quem?
Mehmet Ali Agca: O assassinato do Papa é um incidente básico.
Jornalista: Não respondeu à minha pergunta.
Mehmet Ali Agca: Deixe-me dizer-lhe uma coisa. A administração do Vaticano está por detrás da tentativa de assassinar o Papa, de verdade.
Jornalista: Quem? Um nome?
Mehmet Ali Agca: O governo do Vaticano decidiu o assassinato do Papa. Planearam e organizaram tudo. A ordem “Matem o Papa” foi dada pelo primeiro-ministro do Vaticano, Cardeal Agostino Casaroli”, revelou Ali Agca, declarado mentalmente desequilibrado por uma equipa de médicos.

Continua por saber se o turco agiu ou não sozinho ou se terá sido contratado pelos serviços secretos da União Soviética ou da Bulgária comunista de então (o papa polaco era um forte opositor do comunismo).

Após o encontro onde concedeu perdão ao turco, em 1983, João Paulo II disse que Agca tinha muita preparação militar e revelou não acreditar que tenha actuado sozinho.

Ainda assim, numa visita que realizou à Bulgária em 2002, o Papa afirmou não acreditar que aquele estado balcânico estivesse envolvido na tentativa de homicídio.