Última hora

Última hora

Acordo para evitar desvalorização competitiva da moeda

Em leitura:

Acordo para evitar desvalorização competitiva da moeda

Tamanho do texto Aa Aa

Os líderes do G20, reunidos na cimeira de Seul, concordaram em evitar uma desvalorização competitiva das divisas. Um acordo que surge no contexto da chamada guerra cambial, em particular entre a China e os Estados Unidos.

O presidente norte-americano Barack Obama explicou o que ficou acordado.
“Concordámos que as taxas de câmbio devem reflectir as realidades económicas. E tal como as economias mais avançadas precisam de continuar a preservar a estabilidade na reserva de divisas, as economias emergentes têm de permitir que o mercado dirija o valor das suas moedas. Este foi um assunto que abordei com o presidente Hu da China e vamos continuar a observar atentamente a apreciação da moeda chinesa. Todos nós precisamos de evitar acções que perpetuem desequilíbrios e que dêem uma vantagem indevida de um país sobre o outro”, declarou Obama.

Os Estados Unidos acusavam Pequim de manter o valor do Yuan artificialmente baixo para fomentar as exportações. Mas por outro lado, suspeitava-se que Washington estivesse a responder da mesma maneira com o dólar

De acordo com os analistas, o compromisso para evitar desvalorizações competitivas das moedas pode ajudar a dar estabilidade ao mercado cambial e a facilitar a recuperação das economias.

O nosso correspondente Seamus Kearney em Seul diz que foi publicado “o mais longo comunicado de sempre numa cimeira do G20. São 22 páginas, um sinal de que a Coreia do Sul assegurou que todos os pontos do programa foram debatidos. Agora, o mais difícil vai ser passar das palavras à prática e convencer os críticos que houve esforço suficiente para alcançar cooperação e consenso”.