Última hora

Última hora

Hortas florescem nos terraços de Nova Iorque

Em leitura:

Hortas florescem nos terraços de Nova Iorque

Tamanho do texto Aa Aa

“Há um novo movimento que acredita no faça você mesmo. Consiste em sair do maior número de sistemas possível. É uma forma muito subversiva de oferecer vegetais e frutos locais aos habitantes desta cidade”, diz Patrick Martins, cofundador da Heritage Foods USA.

Em Nova Iorque há uma nova geração de agricultores a produzir em espaços geralmente desperdiçado – os terraços. Um campo de cultivo em Manhattan está 15 metros acima do passeio de Greenpoint em Brooklyn. A cultura no terraço de Eagle Street é a primeira quinta de terraço comercial da América no Norte. Antes era um espaço vazio de 750 metros quadrados do terraço de uma fábrica.

“Estamos a cultivar entre 20 a 25 variedades diferentes de frutas e vegetais, estamos a criar tudo, desde cenouras – o que surpreende muitas pessoas porque o solo é pouco profundo – até beringelas e tomates, porque a vizinha gosta muito deles. A quinta está comercialmente operacional há dois anos. No primeiro ano experimentamos muitas colheitas, a tentar perceber quais as plantas que sobreviviam. Este ano estamos a focar-nos mais no marketing e estamos prontos a funcionar como uma empresa porque vendemos para os restaurantes, vendemos para uma mercado e a comunidade apoia o grupo agrícola Nos operámos todo o ano sem um único cêntimo de dívida”, diz Annie Novak, agricultora.

Mas não é preciso ir muito mais longe para encontrarmos outra quinta de terraço. A Brooklyn Grange, em Queens, também transporta a sua produção aos restaurantes locais e vende aos residentes. O mercado semanal em Bushwick já fechou a época de colheita e o primeiro ano de actividade. Entre as colheitas favoritas estão a acelga arco-íris, repolhos, rabanetes e cenouras bebé.

“Oferecemos vegetais que crescem já ali na esquina em vez de produtos que podem ter vindo da China, importados, ou que vieram por estrada desde a Califórnia. Tudo é orgânico, não utilizamos quaisquer sprays”, diz Ben Flanner.

Flanner deixou um trabalho de secretária para cultivar a tempo inteiro, explica porque evitam o uso de químicos e recorrem a práticas ecológicas. Afirma que pretende alertar as pessoas para uma alimentação saudável e os clientes parecem apreciar.

“Sou cozinheira, por isso cozinho no trabalho e em casa. Estou sempre a cozinhar. É de facto importante que eu tenha produtos de qualidade”, diz uma cliente.

Os campos de cultivo nos terraços não são apenas sobre agricultura. Uma comunidade inteira está a desenvolver uma consciência de produtos orgânicos. Cada vez mais os residentes tornam-se voluntários e uma rede consolidada de restaurantes cresce como cultura alternativa de alimentação.

O popular Roberta tornou-se uma espécie restaurante da terra para a mesa. É fiel cliente das hortas de terraço mas tem a sua própria estufa e terreno para cultivar vegetais.

Agricultura, cozinha e sustentabilidade. Tudo isto não podia acontecer se não houve um meio para espalhar estas ideias – a Rádio. A “Heritage Radio Network” emite a partir de um contentor nas traseiras da horta do restaurante, explorando todas as etapas da experiência de comer.

“As hortas de terraço são uma síntese muito boa de pessoas a trabalhar em conjunto. O fundador da comida lenta Carlo Petrini diz que o melhor local de encontro é uma taberna. Em relação à comida lenta, ele acha que todas as coisas podem ser boas, limpas e justas. É esta rádio, é sobre isso”, acrescenta Patrick Martins.

Comida local, terraços verdes e uma cultura em expansão para cozinha de qualidade. Os produtos orgânicos florescem em Nova Iorque.