Última hora

Última hora

Economia irlandesa resiste, diz ministro para a Europa

Em leitura:

Economia irlandesa resiste, diz ministro para a Europa

Tamanho do texto Aa Aa

Nial O’Reilly, euronews: Cresce a pressão sobre o governo irlandês, tanto fora como dentro do país. Temos agora connosco o ministro irlandês para a Europa, Dick Roche. Senhor Roche, um grupo de peritos da União Europeia e do FMI vai a Dublin para tentar perceber as necessidades financeiras da Irlanda, que parecem indicar que um plano de salvamento é inevitável…

Dick Roche:
É melhor pôr as coisas neste contexto: Na última noite, os ministros da Economia e Finanças da União Europeia apoiaram as decisões do governo irlandês. O problema é que as reacções do mercado têm piorado ao longo das últimas duas ou três semanas. Há preocupações no sector bancário, e por enquanto a nossa posição nacional é sólida. Temos dinheiro que nos vai permitir aguentar até meados do próximo ano.

euronews:
Mas não pode culpar os mercados por actuarem da forma como actuam. Eles avaliam a situação com base na informação que têm, e neste momento o panorama parece calamitoso…

Dick Roche:
Não parece assim tão calamitoso porque… o que eu queria dizer é que a Irlanda está fora dos mercados de obrigações, não precisamos de ir para o mercado para financiar a nossa dívida soberana. Temos a nossa Agência Nacional de Gestão do Tesouro, que tem dinheiro suficiente para gerir a situação, o Fundo Nacional de Pensões também tem dinheiro que chegue. Onde há um nervosismo dos mercados, e eu compreendo, é no sector bancário. O grupo que vem da Comissão Europeia e do BCE vai focalizar-se em como pode essa questão ser resolvida e como podemos trazer para o mercado alguma racionalidade e alguma estabilidade.

euronews:
Há ou não um risco de que esta crise alastre a outros países, como Portugal e Espanha, não sente a obrigação de decidir rapidamente sobre se há ou não um plano de salvamento? Isto porque os parceiros europeus procuram uma decisão dentro de dias, não dentro de semanas…

Dick Roche:
Não descreveria nesses termos a forma como os parceiros europeus reagiram. O comissário Olli Rehn esteve cá há dez dias e disse que estava muito contente com as decisões orçamentais que o governo irlandês estava a tomar.
Ele participou em discussões sobre o próximo orçamento e o nosso plano de quatro anos. Ontem, na reunião do Ecofin, todos os ministros apoiaram as decisões que tomámos a respeito dos bancos. Criámos uma Agência Nacional de Gestão…

euronews:
Isso já sabemos, mas o que os parceiros europeus querem é uma decisão rápida para impedir que a crise se espalhe… é capaz de se comprometer a tomar uma decisão o mais rapidamente possível?

Dick Roche:
Estamos decididos a trabalhar com os nossos parceiros europeus. Não é uma questão de estarmos a resistir a esta ou aquela proposta… na verdade, ainda não vimos a proposta e isso tem que ser trabalhado. Já frisámos isso e temos vindo a afirmá-lo de forma contínua nas entrevistas que damos à imprensa. Este é um assunto que tem de ser resolvido a nível europeu, através de uma união entre os parceiros. Temos que chegar a uma solução que não seja apenas justa para a Irlanda, mas para toda a Zona Euro.