Última hora

Última hora

Irlanda à espera do Orçamento

Em leitura:

Irlanda à espera do Orçamento

Tamanho do texto Aa Aa

A Irlanda está suspensa da aprovação e promulgação do Orçamento, um processo que, nos termos constitucionais, se pode arrastar até Fevereiro.

O Primeiro-Ministro rejeita os pedidos da oposição, para antecipar as eleições legislativas para Janeiro.

Briam Cowen disse, esta terça-feira, no Parlamento, que importante é aprovar o Orçamento:

“Eu acredito que este orçamento vai ser aprovado.

E acredito que esta casa sabe e compreende. Os dois lideres estão disponíveis para avaliar os termos de seriedade de que nós precisamos, para fazer face à situação actual. Para isso, estamos aqui”.

Esta é a disposição do primeiro-ministro, mas que não tem muito eco na opinião pública.

A contestação nas ruas tem aumentado. Os irlandeses querem voltar às urnas.

Uma reformada promete não voltar a votar em Brian Cowen:

“Nunca mais voto nele. Nunca mais, enquanto for viva. Se me cortarem na reforma mato-os todos”.

Os restantes partidos querem eleições. Incluindo os Verdes, parceiros de coligação, como diz o seu dirigente, Michael Ring:

“É simples: precisamos de eleições gerais. De eleições antes do Natal, da formação de um novo governo, e teremos um orçamento. Penso que seria o melhor para o país”.

Uma equação, com duas ingógnitas: primeiro, saber até onde chegam as resistências de Brian Cowen.

Depois saber qual é a vontade da presidente. Em última análise, a vontade de Mary McAleese é soberana.