Última hora

Última hora

Assembleia parlamentar afegão sem maioria

Em leitura:

Assembleia parlamentar afegão sem maioria

Tamanho do texto Aa Aa

A comissão eleitoral do Afeganistão publicou os resultados finais das eleições legislativas de Setembro, um escrutínio marcado por fraudes maciças que levaram a anular um quarto dos votos e a excluir 24 candidatos.

O anúncio foi acompanhado de protestos em Cabul.

O presidente Hamid Karzai tentou serenar os ânimos:

“Eles têm o direito de protestar, mas se alguém tem queixas deve dirigir-se ao sistema de justiça e apresentar uma queixa. Esse é o sítio certo. Bloquear as ruas e desencadear a violência não é correcto, é um acto maldoso contra o país”.

Sem partidos políticos, ou referência de grupo não é fácil perceber se o parlamento terá uma maioria favorável ao presidente. O principal candidato da oposição, Abdullah Abdullah manifesta, no entanto, alguma satisfação pela eleição de 90 dos seus apoiantes.

Mas a falta de uma maioria estável e as fraudes maciças que marcam cada acto eleitoral dificultam a estratégia da NATO de retirar do Afeganistão até 2014.

Por outro lado, o comandante das forças da NATO lembrou em Lisboa que “a acção dos talibãs está controlada em alguns pontos do país mas não em todos”.

A estratégia passa por começar a reduzir progressivamente o contigente militar estrangeiro e transferir a responsabilidade da segurança de algumas áreas para o governo afegão, já em 2011.