Última hora

Última hora

Filme de Roman Polanski arrebata seis Prémios do Cinema Europeu

Em leitura:

Filme de Roman Polanski arrebata seis Prémios do Cinema Europeu

Tamanho do texto Aa Aa

O filme “O Escritor Fantasma”, um thriller político do realizador Roman Polanski, foi o grande vencedor da 23ª edição dos Prémios do Cinema Europeu, que decorreu este sábado na capital da Estónia.

Devido ao processo que está pendente em Los Angeles, desde 1978, onde é acusado pelo abuso sexual de uma menor e também por causa do pedido de extradição da justiça norte-americana, Polanski não se deslocou a Tallin.

Ausente, mas sempre presente, o realizador agradeceu as distinções por videoconferência. Foram seis, ao todo. Melhor filme, melhor realizador, melhor argumento, escrito em conjunto com Robert Harris, melhor actor, para Ewan McGregor, melhor banda sonora, para Alexandre Desplat, e melhor direcção artística, para Albrecht Konrad.

Nomeado para cinco categorias, o filme “Líbano”, do realizador israelita Samuel Maoz, recebeu duas distinções. O prémio para a melhor fotografia e o prémio FIPRESCI, da Federação Internacional da Crítica Cinematográfica.

“Líbano” é um filme de guerra, interpretado por muitos como um gesto de catarse do realizador, que tinha 20 anos quando foi combater neste país.

A francesa Sylvie Testud recebeu o prémio de melhor actriz, pela interpretação de uma mulher que admite a possibilidade de um milagre para a sua doença, em “Lourdes”.

“Carlos”, do francês Olivier Assayas, recebeu o galardão para a melhor montagem e “O Ilusionista”, de Sylvain Chomet, foi considerado o melhor filme de animação.

A gala do cinema europeu entregou ainda prémios de honra ao actor suíço Bruno Ganz, pela sua carreira, e ao compositor libanês em França, Gabriel Yared, pelos contributos ao cinema com bandas sonoras como “O Paciente Inglês”.