Última hora

Última hora

O robot de combate a incêndios

Em leitura:

O robot de combate a incêndios

Tamanho do texto Aa Aa

“É um veículo de combate a incêndios desenvolvido para situações muito complicadas. É muito fácil de conduzir. Aliás tirámos esta ideia dos jogos de vídeo”. Zoran Boskovic, responsável de Pesquisa e Desenvolvimento da DOK-ING.

Forte, poderoso e cheio de tecnologia, é o Firerob, uma nova ferramenta de combate a incêndios.

Esta máquina croata, com controlo remoto, chega a lugares onde outros carros de combate a incêndios não conseguem chegar.

“Este sistema foi especialmente projectado para transportar 30 toneladas e pode fazer 10 quilómetros por hora. Com ele pode perfurar paredes e pode transportar objectos até 180 centímetros de largura e, neste caso, o peso pode ir até 5 toneladas”, explica Zoran Boskovic.

O Firerob tem 7 câmaras a bordo, incluindo um sistema de imagem por infravermelhos.

Zoran Boskovic adianta que é uma mais-valia: “Pode reconhecer silhuetas humanas no fumo e informa o operador para que ele possa saber que há uma pessoa, trazer de volta o carro e enviar uma equipa de bombeiros para o resgate”.

A DOK-ING fabrica, normalmente, equipamento de desminagem e tem grandes expectativas em relação ao Firerob.

“Estamos seguros que estas máquinas podem ser usadas em centrais nucleares, na indústria química, petrolífera, refinarias, depósitos de munições, isto quer dizer em toda a indústria e situações em que um objecto possa explodir a qualquer momento”, explica Mladen Jovanovic, gerente de vendas da empresa.

O protótipo do Firerob foi desenvolvido como parte de um projecto europeu de investigação que deu aos engenheiros croatas acesso a tecnologia especializada.

“A Scot-ATRI, da Escócia, desenvolveu para nós uma tinta especial, é uma protecção térmica que torna mais lento o aumento de temperatura na máquina de forma a poder trabalhar durante mais tempo em altas temperaturas”, acrescenta Jovanovic.

Dois Firerobs foram já vendidos ao governo russo.

Entretanto, os engenheiros continuam a afinar as suas capacidades.

“Quero melhorar o GPS, quero melhorá-lo porque me parece que um veículo robotizado tem que fazer tudo sozinho, sem um operador”, explica Boskovic.

www.firerob.info