Última hora

Última hora

Quarta semana de manifestações na Tunísia faz dezenas de mortos

Em leitura:

Quarta semana de manifestações na Tunísia faz dezenas de mortos

Tamanho do texto Aa Aa

O movimento de contestação na Tunísia fez mais três mortos nas últimas horas, o que eleva para 24 o número de vítimas mortais desde 18 de dezembro, segundo o governo. Os sindicatos indicam um balanço superior a 50 mortos.

Apesar do recolher obrigatório, também durante a noite se registaram troca de tiros e confrontos nos arredores da capital, ontem atingida pela vaga de violência que comemçou no interior do país.

O comércio, restaurantes e cafés apressaram-se a encerrar as portas com receio dos atos de vandalismo.

Os sindicatos uniram-se num protesto conjunto no centro de Tunis para reclamarem reformas urgentes e a criação de um governo de salvação nacional.

As últimas vítimas mortais foram registadas em Douz no sul do país e Thala, uma das pessoas mortas era um professor de informática de origem francesa.

Apesar da demissão do ministro do Interior os ânimos estão longe de se acalmarem.

Um manifestante diz que não acredita nas ações do governo desde 1987. “Ele prometeu-nos trabalho, promete-nos resolver os problemas mas não acreditamos.”

Em Sfax, capital económica do país cinco manifestantes foram feridos por balas da polícia.

Os protestos na Tunísia começaram a 17 de Dezembro, quando Mohamed Bouazizi, de 26 anos, licenciado, se imolou depois da polícia lhe ter apreendido as frutas que vendia na rua, único ganha pão.