Última hora

Última hora

Crianças à procura de uma vida melhor

Em leitura:

Crianças à procura de uma vida melhor

Tamanho do texto Aa Aa

As famílias mudam-se das áreas rurais para as urbanas à procura de uma vida melhor. Mas educar os filhos na cidade fica caro.

A China, que está a passar pelo maior fluxo migratório interno da história, é um bom exemplo disso. Alguns professores estão a oferecer preços especiais, em escolas particulares, para dar às crianças uma oportunidade de terem uma boa educação.

Começamos com uma reportagem na China:

Chegam do campo e como não são residentes locais, essas pessoas, conhecidas como “min gong”, não têm acesso a direitos básicos como saúde, habitação ou educação.

A pensar nas crianças, alguns professores criaram escolas privadas. Para matricular as crianças numa escola pública da cidade são precisos seis meses de salário. Aqui podem frequentar as aulas por, apenas, 13 euros por mês.

Segunda paragem: Congo

Uma vida melhor pode, também, passar pela inserção na sociedade rural.

Em Kinshasa, as crianças de rua negligenciadas pelas famílias e pela sociedade, encontraram o calor na cidade Guanella onde aprendem um ofício para o futuro.

Todos os anos, o centro acolhe entre 10 a 12 jovens do meio rural. Pode parecer pouco, mas a educação exige um investimento humano e de energia consideráveis.

Terceira, e última, paragem: Equador

E, finalmente, a tecnologia avançada no meio rural profundo! É isso que as “escolas Millennium” estão a fazer no Equador para incentivar as pessoas ficarem no campo. As crianças adquirem conhecimentos que podem utilizar em áreas onde o progresso é dificultado pela pobreza e pela subnutrição.

Em Limoncito, a construção da “escola Millennium” foi uma espécie de revolução. Os jovens desta área rural, localizada a 50 quilómetros de Guayaquil, aprendem sobre os mais recentes métodos agrícolas e podem, também, usar as novas tecnologias de informação. Aqui o conhecimento e experiência caminham de mãos dadas.