Última hora

Última hora

Egito: confrontos violentos entre polícia e manifestantes anti-Mubarak

Em leitura:

Egito: confrontos violentos entre polícia e manifestantes anti-Mubarak

Tamanho do texto Aa Aa

No Cairo manifestantes e polícia egípcia envolveram-se, esta quarta-feira, em confrontos violentos.

O aumento dos protestos contra o regime do presidente Hosni Mubarak já provocou pelo menos 5 mortos, entre os quais 2 polícias, perto de 150 de feridos, e mais de quinhentas detenções.

Os manifestantes reclamam uma mudança politica, mais liberdade, o fim do estado de emergência e a saída do presidente Mubarak, no poder desde 1981.

As cenas, sem precedentes no país, começaram terça-feira e acontecem duas semanas depois da queda do presidente tunisino Ben Ali.

As manifestações surgiram após uma convocatória na internet, na rede social Twitter, que entretanto foi bloqueada pelas autoridades egípcias.

A oposição a Mubarak já convocou para sexta-feira uma manifestação nacional de protesto, após a oração do meio-dia.

O correspondente da euronews no Cairo revelou, com mais pormenores, os motivos das manifestações:

“No princípio, as exigências eram económicas.

As pessoas protestavam contra a pobreza, o desemprego e queriam uma baixa dos preços e uma melhor distribuição da riqueza.

É sobre esta base que os protestos começaram terça-feira.

Mas a seguir, na noite de terça, as manifestações ganharam um cunho político, e passaram a concentrar-se num apelo a não votar em Mubarak, ou no seu filho, nas próximas eleições presidenciais.

Apelam, também, à dissolução da Assembleia nacional e do Parlamento, e pelo fim do estado de emergência.

São estas as principais exigências dos manifestantes, que insistem no facto que continuarão na rua até que o governo aceite os seus pedidos.”