Última hora

Última hora

Mubarak: demasiado forte para cair?

Em leitura:

Mubarak: demasiado forte para cair?

Tamanho do texto Aa Aa

Já não têm medo dos “faraós” nem do Estado de exceção, em vigor há 30 anos no Egipto.

Até este mês de janeiro, nada ameaçava a continuidade de Hosni Mubarak, mas agora os compatriotas dizem-lhe, de cara descoberta, que largue o poder a que se agarrou em 1981.

O presidente, de 82 anos, dirige o país de 82 milhões de habitantes, o mais povoado do mundo árabe, como um federador político regional.

Em 2005 Mubarak tentou ganhar alguma legitimidade democrática quando ganhou as primeiras eleições multipartidárias.

Militar, como Anwar el Sadat, o antecessor assassinado em 1981 por radicais islâmicos, Mubarak tem o apoio do Exército, por isso a situação egípcia se diferencia da tunisina, onde o ditador deposto não tinha apoio militar.

Em novembro passado, as eleições legislativas voltaram a dar uma esmagadora maioria ao partido do presidente, o Partido Nacional Democrata.

Mas a frágil saúde de Mubarak alimenta o rumor da sucessão do filho, Gamal Mubarak, nas presidenciais de setembro de 2011.

Gamal Mubarak, de 47 anos, ocupa um posto dominante no partido Nacional Democrata, onde ganhou uma importância repentina, não tem o apoio do Exército e é muito impopular e contestado.

Era gestor do Bank of America e foi o inspirador da liberalização económica iniciada em 2004, no Egito.

No Egito de Mubarak não há muito espaço para a oposição, mas sempre há alguma uma margem.

Proscrito mas tolerado, o movimento dos Irmãos Muçulmanos não promoveu nem participou nos protestos, até hoje.

No entanto, o porta-voz do grupo islâmico alerta:
“Já tínhamos avisado que fechar as portas, falsear as eleições, eleger a dedo os líderes dos sindicatos, impedir aos estudantes de eleger livremente os representantes, ia criar uma situação que acabaria por explodir. “

O Cairo é um parceiro económico estratégico de Washington desde a assinatura dos Acordos de Paz de Camp David entre Israel e Egito, em 1978.

Em troca do reconhecimento do Estado de Israel, uma estreia no mundo árabe, o Egito recebeu milhares de milhões de dólares de Washington, desejoso de preservar o regime em nome da estabilidade geo-estratégica.