Última hora

Última hora

Egito: "Caça aos jornalistas estrangeiros"

Em leitura:

Egito: "Caça aos jornalistas estrangeiros"

Tamanho do texto Aa Aa

Os apoiantes do presidente egípcio querem recuperar a Praça Tahrir, ocupada há mais de uma semana pelos opositores ao regime. Paralelamente, há uma “caça aos jornalistas estrangeiros”. Aqui fica o relato da segunda jornada de confrontos feito por Luis Carballo, um dos enviados especiais da euronews ao Cairo.

“Foi um dia completamente frenético, de autêntica batalha no Cairo. Houve ataques e contra-ataques, os opositores e os defensores de Mubarak enfrentaram-se constantemente nos arredores da praça Tahrir para tentar quebrar o impasse que se mantém há dois dias.

A situação está a ficar bastante má, sobretudo, para os jornalistas estrangeiros. Decididamente, podemos falar de uma caça aos jornalistas estrangeiros por parte dos apoiantes de Mubarak, entre os quais – constatámos – há muitos polícias camuflados.

Esta mesma tarde, recebemos impactos de balas na janela do edifício onde estamos. Dois impactos diretos, possivelmente disparados de alguns dos telhados dos edifícios à nossa frente, simplesmente porque estávamos à janela, a observar para tentar informar.

A praça continua cheia de gente. A Praça Tahrir continua cheia de opositores ao regime que se mantêm aí, que avançaram as suas linhas, que continuam nas barricadas. Agora, concretamente, há um momento de calma, mas hoje viveram-se cenas muito, muito, muito tensas.

Hoje vimos que o exército se mostrou mais ativo do que nos dias anteriores. Vimos que tentou dispersar, sem conseguir, porque 15 minutos depois regressavam às pontes junto à Praça Tahrir. É o que se vê nas imagens. É aí que se concentravam os apoiantes de Mubarak. Os tanques avançavam várias vezes para retirar essas pessoas. Mas logo após a passagem dos tanques, elas regressavam. Ainda que a sua presença, neste momento, seja menor.”