Última hora

Última hora

Cairo: Comerciantes da baixa queixam-se

Em leitura:

Cairo: Comerciantes da baixa queixam-se

Tamanho do texto Aa Aa

Na capital egípcia, enquanto os manifestantes continuam na praça Tahrir, muitos residentes da cidade começam a tentar regressar ao quotidiano.

No resto do país, os bancos e as lojas já começaram a reabrir, mas no Cairo os comerciantes da baixa da cidade dizem que ainda estão a sofrer os efeitos das manifestações.

“Deviam sair da praça Tahrir e regressar ao trabalho. Não se vende nada e toda a gente sofre. Seja o governo, o setor público ou o setor privado. Na baixa ninguém trabalha e no resto do país também”, desabafa um comerciante.

“Dizem que vão ficar lá até o presidente se ir embora. O presidente não vai sair, não vai sair! Quer isso dizer que vamos fechar? Toda a gente o quer!”, afirma uma comerciante revoltada com a situação.

Os protestos contra Mubarak começaram a 25 de janeiro. Mas, num país onde cerca de 40% da população vive com menos de dois dólares por dia, começa a haver muita gente desesperada por regressar ao trabalho e à normalidade.