Última hora

Última hora

Egito pede apoio económico à comunidade internacional

Em leitura:

Egito pede apoio económico à comunidade internacional

Tamanho do texto Aa Aa

Agora que a Praça Tahrir está vazia, as atenções viram-se para a situação económica do Egito. No pico das manifestações, a economia perdeu 310 cerca de 230 milhões de euros por dia.

O governo egípcio solicitou a ajuda da comunidade internacional. Hoje, o chefe da diplomacia egípcia, Ahmed Aboul Gheit, pediu aos homólogos americano, britânico e saudita para que a comunidade internacional apoie a economia do país.

A União Europeia deve decidir, hoje, sobre o congelamento de bens de ex-altos responsáveis do regime de Mubarak. O pedido foi feito pelo Cairo, mas não inclui o presidente deposto, Hosni Mubarak.

A Liga Árabe ainda não se pronunciou sobre um eventual apoio. O secretário-geral da organização, Amr Moussa, adianta, no entanto, que “se vai solicitar aos governos árabes que prestem ajuda económica ao Egito”. Moussa garante que “vai haver cooperação para o desenvolvimento do país”, mas não precisa como nem quando.

Os militares pediram ontem à população para que acabe com as greves, alertando para o impacto económico negativo. Nos últimos dias, vários trabalhadores entraram em greve para exigir aumentos de salários e melhores condições de trabalho.

Hoje não se veem grevistas – não porque acataram as ordens do exército para acabar com as greves, mas simplesmente porque é feriado no país.