Última hora

Última hora

Crise no turismo egpício

Em leitura:

Crise no turismo egpício

Tamanho do texto Aa Aa

As misteriosas e fascinantes pirâmides de Gizeh fizeram do Egipto moderno um dos centros turísticos mundiais. Mas neste momento, o silêncio e a calma reinam de novo nos túmulos dos faraós do Império Antigo.

Mohamed Elhamy, correspondente da euronews no Egipto, explica:

“Normalmente, milhares de turistas passam por esta praça que está em frente das pirâmides. Hoje está quase vazio, só há egípcios a visitar o local, o que reflete perfeitamente a crise do turismo egípcio”

O turismo é essencial para o Egipto, proporciona 11% do PIB e é a principal fonte de divisas do país.

Dois milhões de egípcios vivem do turismo, isto é, um em cada dez empregos está neste setor. Daí a preocupação de um dos tratadores de camelos que falou à euronews em Gizeh:

“As condições são más, não há trabalho. Temos pouquísimo lucro, não nos dá nem para alimentar os camelos. Agora há 1.500 famílias a viver aqui e estão todas a passar um mau por causa da falta de trabalho.”

Em 2010, 15 milhões de turistas viajaram para o Egito, o que mantinha a oleada a máquina do comércio, incluindo as pequenas lojas de lembranças, agora vazias.

Asharf, pequeno comerciante:

“Os turistas já não vêm desde a revolução por causa do recolher obrigatório e da falta de segurança. Agora o afluxo de turistas é zero”

Em pleno centro do Cairo, na margem do Nilo, a mesma constataço: hotéis, restaurantes, e bares desertados pelos turistas. Um fardo muito pesado para as novas autoridades egípcias.

Amr el-Ezaby, ministro do Turismo: “Calculamos perdas diárias entre 25 e 27 milhões de dólares e se multiplicamos isso pelo número de dias, pode ver-se a amplitude das perdas num mês, com uma ocupação hoteleira de 5 a 10%”

A ocupação hoteleira na estação balnear de Sharm el-sheikh que era de 75% em 25 de janeiro deste ano, baixou para 11% a 11 de fevereiro, dia da queda de Mubarak.

Nas pirâmides só há turistas egípcios. A prioridade agora é a pôr em marcha todo o sistema, principalmente o dos voos charter, para que os estrangeiros possam visitar o Egipto.