Última hora

Última hora

Mulheres que fogem à guerra

Em leitura:

Mulheres que fogem à guerra

Tamanho do texto Aa Aa

No campo de refugiados de Choucha, a poucos quilómetros da fronteira entre a Líbia e a Tunísia, poucos ouviram falar do dia Internacional da Mulher.

Fugir à fome e à guerra é a grande prioridade.

Saíram, de países como a Somália e o Sudão à procura de uma vida melhor e preparam-se para regressar a casa de mãos vazias.

“Não sabíamos que, hoje, era o dia da mulher porque como pode ver estamos no meio de uma guerra. Vivemos em tendas. Hoje está muito frio e há muitas crianças” afirma uma mulher.

Outra refere: “há muitos problemas na Somália e, agora, também na Líbia. Não sei para onde ir. Por isso, peço à comunidade internacional que nos ajude”

Euronews:” O dia Internacional da Mulher é um dia como todos os outros para estes refugiados. Dias iguais a tantos outros alimentados pela esperança de poder acabar com o sofrimento. Na Líbia perderam tudo e aqui as celebrações dão lugar à tristeza e ao desespero.”