Última hora

Última hora

ONU perante o desafio da zona de exclusão aérea na Líbia

Em leitura:

ONU perante o desafio da zona de exclusão aérea na Líbia

Tamanho do texto Aa Aa

Zona de exclusão aérea já – pedem, desesperados os resistentes de Benghazi contra a aviação de Kadhafi.

Mas os riscos deste tipo de intervenção militar por parte da ONU são imprevisíveis.

Para o conseguir e cimentar a legitimidade há que obter o reconhecimento internacional e foi o que solicitaram dois altos representantes da oposição líbia no Parlamento Europeu.

Mahmoud Jebril afirmou:

“Se a zona de exclusão aérea é o meio para deter ou paralisar essas máquinas de matar, então vamos em frente, com uma condição: que não haja presença estrangeira em solo líbio, algo que rejeitamos completamente”.

A NATO também está a estudar as condições de uma medida de tal envergadura. O secretário geral, Anders Fogh Rasmussen, adianta que, antes de tudo, há que ter a prova de que essa assistência é necessária:

“Qualquer operação da NATO dependeria de um mandato da ONU e do apoio dos países da região”.

Mas atingir um acordo nas Nações Unidas para impor uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia não vai ser tarefa fácil. A China e a Rússia estão reticentes…

São dois países com direito a veto no Conselho de Segurança tal como os Estados Unidos, o Reino Unido e a França.

Há mais 10 membros eleitos mas sem direito a veto no único organismo da ONU que emite resoluções com poder vinculativo internacional.

Para que uma resolução seja aprovada são necessários nove votos a favor e nenhum veto.

Mais fácil foi aprovar o pacote de sanções contra Líbia, a 26 de fevereiro. As deliberações duraram apenas quatro dias e incluiram um embargo sobre a venda de armas, a proibição de visto para os responsáveis pelo regime e o congelamento dos bens da família Kadhafi.

Estabelecer uma zona de exclusão aérea é um grande desafio para o Conselho de Segurança, principalmente para aqueles que têm em mente o Iraque pós-Saddam. Washington é, agora, mais prudente:

“Uma zona de exclusão começa por um ataque à Líbia para destruir as defesas anti-aéreas. É assim que se estabelece uma zona de exclusão”.

Outro debate é o do grau de restrição: a proibição de voo à aviação de Kadhafi vai limitar-se às zonas rebeldes ou afetar todo o território líbio? Esta segunda hipótese será mais difícil de concretizar pela comunidade internacional.

Pascal Boniface, IRIS: A dificuldade de uma intervenção militar na Líbia é política