Última hora

Última hora

O quinto maior sismo de sempre

Em leitura:

O quinto maior sismo de sempre

Tamanho do texto Aa Aa

É o mais forte sismo no Japão e um dos mais fortes registados pelos sismógrafos do mundo inteiro.

René Crusem, um geofísico da comissão francesa de energia atómica explica o fenómeno e arrisca algumas previsões:

“O sismo desta manhã é, seguramente, o quinto maior que já registámos desde que existem os instrumentos de registo. É verdadeiramente excecional. Pouco a pouco, as magnitudes dos sismos que se vão seguir vão diminuindo. Pode haver, de vez em quando, um mais forte que, à partida, não atingirá a magnitude que pudemos constatar esta manhã, mas a actividade sísmica da região vai ficar ativa durante dias ou mesmo semanas.

O que observamos, por vezes – mas isso não podemos preve – é que um sismo numa zona pode induzir outro um pouco mais longe. Há sempre essa possibilidade, mas nunca há certeza. Não temos qualquer possibilidade de fazer previsões nessas matéria.

Quanto ao Japão, as vagas do tsunami passaram, os estragos estão feitos, não vai haver mais, mas o tsunami continua a propagar-se pelo Pacífico”.

e: Quais são as placas que se sobrepuseram?

“É a placa do Pacífico, que se situa sob o Japão. A previsão dos sismos é algo extremamente difícil e, se houver outros, será no choque destas duas placas ao largo da costa Leste do Japão. Quanto mais fortes são os sismos, mais raros são. E, como já disse, este sismo está entre os excecionais. Os sismos deste tipo podem acontecer uma vez em cada década ou com intervalos de várias décadas. Estatisticamente falando, diria que não devemos ter sismos desta dimensão durante vários anos.