Última hora

Última hora

"Há dados inquietantes" sobre central de Fukushima

Em leitura:

"Há dados inquietantes" sobre central de Fukushima

Tamanho do texto Aa Aa

Para compreender o que se passa na central nuclear de Fukushima Daiichi, a euronews entrevistou Jean Mathieu Rambach, perito do Instituto Francês de Radioproteção e Segurança Nuclear.

Jean Mathieau Rambach: O que percebemos, é que houve uma explosão de hidrogénio que se concentrou na estrutura metálica em cima do reator. A caixa de confinamento está intacta. É muito diferente de Chernobil.

Euronews: Num nível de risco, qual acha que é o risco?

JMR: Há um risco de fusão do núcleo. Por isso, agora estão numa fase de arrefecimento de um núcleo que tem muito pouco reação nuclear. Em Chernobil, a explosão ocorreu com o núcleo em plena atividade.

EN: Há o risco de haver um acidente grave à escala mundial?

JMR: Estamos perante um acidente de grande envergadura da mesma ordem de Chernobil, pelo menos potencialmente. Até ao momento, há dados inquietantes, ou seja a produção de hidrogénio. No entanto, o elemento positivo é que a caixa de confinamento continua funcional.

EN: Houve uma explosão num dos reatores mas há outros que também tem um problema no seu sistema de arrefecimento?

JMR: Efetivamente há outro, mas sobre esse temos poucas informações. Estamos a tentar perceber o que se passa, mas temos poucas informações.

EN: Não há qualquer informação por parte das autoridades japonesas?

JMR: Não, não temos informações.

EN: Sabe porquê?

JMR: Não. A versão otimista é que não grande coisa a dizer. Versão pessimista, eles escondem qualquer coisa. Acho que seja assim.

EN: Com a paragem do funcionamento das centrais há o risco de afetar profundamente e durante algum tempo a produção de eletricidade na ilha?

JMR: Sim, claro. Acho que durante vai ser muito difícil para eles.