Última hora

Última hora

Alerta nuclear: explodem as estruturas de abrigo dos reatores de Fukushima

Em leitura:

Alerta nuclear: explodem as estruturas de abrigo dos reatores de Fukushima

Tamanho do texto Aa Aa

A devastação causada pelo tsunami desencadeou um alerta nuclear sem precedentes no Japão, um país hiperdependente da energia atómica. As imagens de Fukushima, captadas pouco depois da passagem das ondas gigantes, distingue-se, ao fundo, a central nuclear de Fukushima 1 ou Daiichi, a mais afectada pelo tsunami, situada a 250 km de Toquio.

No sábado, o edifício que alberga o reator número um da central explodiu por causa de uma deflagração de vapor de hidrogénio.

As autoridades japonesas confirmaram a explosão, numa primeira conferência de imprensa do chefe de gabinete. Yukio Edano reconheceu que se produziu uma fuga radioativa, mas assegurou que a estrutura de contenção de aço que protege o reator continua intacta.

As autoridades procederam à evacuação da população num perímetro de 10 km em redor da central. Inicialmente, a zona de exclusão estava limitada a três quilómetros em Fukushima Daiichi.

Segundo as autoridades, 160 pessoas estiveram expostas a radiações acima dos limites de segurança em torno do complexo nuclear.

No domingo, a zona de exclusão em torno da estrutura de Fukushima 1 alargou-se a 20 quilómetros.

À volta da estrutura de confinamento do reator Fukushima 2, também afectada, o perímetro de exclusão manteve-se nos 10 Km.

Na segunda-feira, uma segunda explosão teve local no edifício três, onde se encontra um dos seis reatores da central de Fukishima 1.

A deflagração destroçou o teto do edifício, mas não afetou a estrutura de contenção que protege o reator.

A falha dos sistemas de referigeração dos três reatores provocou a explosão do edifício 1, no sábado, e a seguir a do edifício 3, na segunda-feira.

O sistema de referigeração do reator número 2 também não funciona.

Antes da explosão de segunda, o acidente de Fukushima 1 foi atribuído o nível 4 na escala de acontecimentos nucleáres e radiológicos (INES). Chernobil atingiu o nível 7 e Three Mile island, nos Estados Unidos, em 1979, o nível 5.