Última hora

Última hora

UE: Crise portuguesa domina Cimeira

Em leitura:

UE: Crise portuguesa domina Cimeira

Tamanho do texto Aa Aa

A reunião do Conselho Europeu arrancou, esta quarta-feira, em Bruxelas com a crise política portuguesa como pano de fundo.

A perspetiva de Portugal recorrer, a breve prazo, ao Fundo de Resgate Europeu deve dominar a Cimeira.

José Sócrates, primeiro-ministro demissionário, vai explicar aos líderes da União Europeia os últimos desenvolvimentos políticos em Portugal.

A chanceler alemã, Angela Merkel avisa que, independentemente de quem estiver no governo, o que é necessário “agora é que aqueles que detêm, a responsabilidade em Portugal se envolvam neste programa de austeridade, para que a confiança do mercado possa crescer.”

Apesar da crise política portuguesa, não se espera que o país deixe de honrar os seus compromissos. Mesmo pressionado pelo mercado, Portugal tem conseguido financiar-se.

Uma ideia confirmada pela conselheira económica das instituições europeias, Maria João Rodrigues.

“Não creio que haja esse risco de incumprimento da dívida porque Portugal tem margem de financiamento e o problema português é um problema de liquidez não é de solvência mas é um facto que ao esperar por eleições vai-se perder algum tempo mas eu tenho esperança que se ganhe depois com um governo de base mais sólida no Parlamento.”

O “pacto para o Euro” antes designado pacto para a competitividade, está também em discussão…

Chegar a qualquer tipo de consenso parece impossível. Os líderes europeus devem adiar a sua aprovação para junho.

“Divididos em relação à Líbia, os 27 preparam-se para abordar a questão do Euro. E mesmo aqui podem surgir problemas de última hora. A crise portuguesa como pano de fundo enfatizada pela recusa da Alemanha e da Finlândia em adotar alguns aspetos do Fundo de Estabilidade.”