Última hora

Última hora

Costa do Marfim: um milhão de pessoas fugiram de Abidjan

Em leitura:

Costa do Marfim: um milhão de pessoas fugiram de Abidjan

Tamanho do texto Aa Aa

Chegaram aos milhares ao leste da Libéria. São famílias inteiras que tentam escapar à violência na Costa do Marfim. O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados teme que os deslocamentos massivos destabilizem a Libéria, a recuperar de duas guerras civis.

Para os que atravessam a fronteira, o importante é procurar abrigo e proteger a família. É o caso de Gabriel Gobe Selou, que chegou à Libéria há dois dias. Conta que foi obrigado a fugir e a deixar a sua aldeia, quando um grupo surgiu num jipe “a disparar em todos os sentidos, sem distinguir ninguém”.

Além da Libéria, também a Guiné-Conacri e o Gana estão a acolher muitos refugiados. A escalada de violência pós-eleitoral provocou a morte a mais de 460 pessoas e quase um milhão de deslocados só numa cidade.

É o que revela Melissa Fleming, porta-voz do Alto Comissariado para os Refugiados: “Pode haver até um milhão de pessoas deslocadas em Abidjan e nos arredores, sem contar as inúmeras pessoas no oeste do país”.

A França apresentou, esta sexta-feira, ao Conselho de Segurança da ONU uma nova resolução para reforçar a missão dos capacetes azuis na Costa do Marfim, proibir o uso de armas pesadas em Abidjan e intensificar as sanções contra Laurent Gbagbo, que recusa abandonar o poder.