Última hora

Última hora

Preço da guerra na Líbia

Em leitura:

Preço da guerra na Líbia

Tamanho do texto Aa Aa

Dezenas de caças bombardeiros estão em constante vaivém das suas bases para o céu da Líbia, para renovar as munições, combustível e pilotos. Quanto vai custar o estabelecimento e vigilância de uma zona de exclusão aérea na Líbia? Vai depender da duração da campanha, mas os especialistas já fazem cálculos. 
 
 
Um mês de zona de exclusão aérea na Líbia custa 353 milhões de euros, segundo o Centro de Avaliação Estatégica e Orçamental em Washington.
 
 
No passado, americanos, britânicos e franceses assim como a NATO, estabeleceram zonas de exclusão aérea que dão a ideia do custo.
 
Por exemplo, a zona de exclusão aérea no Kosovo, de Março a Junho de 1999, custou 1,3 mil milhões de euros.
 
 
As duas zonas de exclusão aérea no norte e no sul do Iraque entre 1991 e 2003 custaram em média 500 milhões e 700 milhões de euros por ano.
  
Para garantir a zona de exclusão é preciso destruir as defesas anti-aéreas no solo. Até terça-feira tinham sido lançados 162 mísseis tomawhawks das bases americanas no mediterrâneo. Esses mísseis teleguiados são caros..
 
 
Um missil Tomahawk americano custa cerca de 402 mil euros. Um AASM utilisé par les français, coute entre 300 mil e 350 mile euros.
 
A hora de voo do caça Rafale, sem contar com o combustível, eleva-se a 10 mil a 13 mil euros  no A fatura do Mirage fica entre 10 mil e 11 mil euros por hora.
  
A hora de voo do bombardeiro furtivo B-2 custa 7 mil euros. Este avião “invisível“ da base de   Whiteman, Missouri, tem de fazer 25 horas de voo para largar bombas na Líbia. É abastecido em pleno voo com combustível que fica também muito caro.