Última hora

Última hora

Resposta da China aos manifestantes inspirados na revolução do jasmim 

Em leitura:

Resposta da China aos manifestantes inspirados na revolução do jasmim 

Tamanho do texto Aa Aa

O jasmim é tratado como erva daninha na China, um tabu.
Depois da revolução tunisina, esta planta serve de inspiração aos manifestantes, como em 27 de fevereiro em Hong Kong.
Os manifestantes responderam assim a uma convocação pela internet em várias cidades chinesas.
Leung Kwok-Hung, membro Conselho Legislativo Hong Kong dá voz à revolta:
“Queremos que o jasmim cresça em frente do símbolo do regime comunista chinês e fomos bloqueados.
Agora sinto, na realidade, que Hong Kong faz parte da China.”
Em Xangai, no mesmo dia perto da Praça do Povo, cerca de 200 pessoas foram cercadas pela polícia, que não parava de apitar e tentar dispersar a manifestação.
Em Pequim, a convocação também se fez para o bairro dos comerciantes, Wangfujing, no Mac Donalds, como mostraram as imagens registadas no you tube.
A polícia fez tudo para impedir o acesso dos Media internacionais e as autoridades tentaram cortar imediatamente o risco de contágio.
Wang Hui, porta-voz do governo chinês:
“A segurança e a estabilidade constituem um objetivo comum do povo chinês.
As pessoas que esperam imitar as revoltas do mundo árabe estão condenadas ao fracasso”.
 
Neste pais com 500 milhões de cibernautas, é através da internet que o contágio pode fazer-se.
A censura caiu sobre palavras tão inocentes como Egito, jasmim, Tunísia. O Google acusou as autoridades de vedarem o uso do Gmail aos cibernautas, uma acusação inaceitável, segundo o governo de Pequim.
E para garantir que tudo corre como pretendido, o governo chinês aumentou o orçamento para a segurança em cerca de 67,4 mil milhões de euros para 2011.
As revoluções árabes causaram mal-estar a Pequim, também a nível internacional a nível internacional.
No entanto, no Conselho de Segurança de 17 de março sobre a Líbia, a China não fez uso do direito a veto.
Optou pela abstenção, ao lado da Rússia, Alemanha, Índia e Brasil, quando se votou a resolução 1973.
 
> “Improvável” uma revolução na China