Última hora

Última hora

Costa do Marfim: cidadãos estrangeiros deslocados para fora de Abidjan

Em leitura:

Costa do Marfim: cidadãos estrangeiros deslocados para fora de Abidjan

Tamanho do texto Aa Aa

Em nome da segurança, as evacuações prosseguem na Costa do Marfim.

Soldados franceses deslocaram mais de mil cidadãos estrangeiros para fora de Abidjan, a principal cidade do país.

Os civis foram escoltados para a um acampamento próximo, em Port Bouet.

Paris diz que a missão francesa tem agora cerca de 1600 militares no terreno, para responder a situações de crise. Uma crise que faz cada vez mais vítimas, como se percebe pelo testemunho de uma cidadã francesa: “Eles entraram em casa, assim que viram duas mulheres tentaram fazer aquilo que têm vontade de fazer com duas mulheres, mas felizmente havia alguns que eram gentis, que disseram não, este não é o nosso trabalho, não estamos aqui para isto. Assim continuaram a fazer o que tinham a fazer, a partir tudo dentro da casa. Pudmos escapar. Depois veio o Exército francês.”

A antiga colónia francesa conta com cerca de 12 mil cidadãos gauleses no território e mais de mil cidadãos europeus. A responsável europeia pela Cooperação internacional, ajuda humanitária e resposta a situações de crise já fez um apelo: “A Laurent Gbagbo e ao presidente eleito Alassane Ouattara peço: para bem do vosso povo, dos vossos vizinhos, da humanidade, protejam os civis, deixem as associações humanitárias fazer o seu trabalho, e evitando que a Costa do Marfim seja palco de uma guerra civil”, disse Kristalina Georgieva.

Entre capacetes azuis e pessoal administrativo, as Nações Unidas têm mais de 7500 trabalhadores no terreno. Tudo para evitar uma Guerra Civil.