Última hora

Última hora

A Andaluzia face às alterações climáticas

Em leitura:

A Andaluzia face às alterações climáticas

Tamanho do texto Aa Aa

Fabrizio Sergio é investigador na Estação Biológica de Doñana, na Andaluzia, e falou ao “Talk Planet” da Euronews sobre o impacto das alterações climáticas:

“Doñana é um parque natural, uma área húmida muito grande, de várias centenas de quilómetros quadrados. No outono e no inverno há inundações, com chuvas típicas desse período e durante a primavera-verão vai-se tornando mais seca. Tudo o que vemos aqui inundado em março, daqui a poucos meses estará completamente seco.

O impacto negativo das mudanças climáticas seriam secas mais extremas, com um forte impacto na reprodução de várias espécies, como é o caso, dos maçaricos pretos que são uma espécie de aves aquáticas e outras espécies de predadores bastante presentes no parque, como por exemplo o milhafre preto.

Estamos em plena migração, os indivíduos estão a regressar dos locais onde passaram o inverno em África, estão a começar a ocupar o território e em breve começarão a pôr ovos.

Esta área é o habitat ideal para os milhafres, porque podem encontrar muitas árvores, como estas que vemos aqui atrás, para pôr os ovos e têm logo em frente os principais lugares de forragem.

As alterações climáticas podem influenciar a estação em que os pântanos começam a secar, o que perturba o habitat de forragem e as presas que dependem das zonas húmidas. Há outra forma de influência mais direta, o stress térmico. É claro que as galinhas estão nos ninhos todo o dia, e sabemos que há ninhos com um alto nível de insolação e há galinhas com um nível muito alto de stress.

É um excelente modelo de estudo porque a partir do início dos anos oitenta, começaram a colocar-se estas anilhas estes emissores com GPS que permitem seguir de perto os indivíduos.

O aquecimento global, o facto de haver mais sol, pode ser bom para carregar os painéis solares desta emissora que funciona há 4 anos…

Sabemos que a produtividade do ecossistema em África, que dependente muito da chuva e dos ecossistemas áridos do Sahel, parece ter uma grande influência na sobrevivência, principalmente nos primeiros anos de vida.

As alterações climáticas podem afectar negativamente estas espécies e até contibuir para a sua extinção”.