Última hora

Última hora

A vida errante de Gotovina

Em leitura:

A vida errante de Gotovina

Tamanho do texto Aa Aa

Com responsabilidades maiores na limpeza étnica de Krajina, Ante Gotovina foi condenado a 24 anos de prisão.

O tribunal deu como provado que ele dirigiu a operação “storm”, destinada a limpar o enclave de Krajina, da população sérvia.

Outro general, Mladen Markac, foi condenado a 18 anos.

O terceiro, Ivan Cermak, que foi absolvido. As provas reunidas contra ele não foram consideradas suficientes, pelo tribunal.

Trezentos mortos e 200 mil sérvios expulsos da sua terra, um crime contra a humanidade, como considerou o Tribunal.

A leitura do acordão foi seguida por uma multidão de 4000 pessoas, através da televisão, numa praça de Zagreb

Se a comunidade internacional os considera criminosos, aqui, são considerados herois nacionais:

“Um veredicto sem provas. Um veredicto puramente político”, diz uma mulher.

Um médico, presente na concentração, acusa o tribunal de acreditar em equívocos:

“As sentenças são injustas e mostram que a aplicação da lei internacional é a única ciência que se deteriorou, desde o antigo Império Romano. As setenças baseiam-se em mentiras e equívocos, em vez de factos”.

O antigo ministro do Interior, Ivan Vekic. considerou que esta condenação foi uma derrota da Croácia.

Sobretudo, porque Gotovina é considerado, pelos croatas, um heroi nacional.