Última hora

Última hora

Plebleias da história

Em leitura:

Plebleias da história

Tamanho do texto Aa Aa

A jovem e linda plebleia vai mesmo tornar-se princesa e, quem sabe, talvez rainha.

Um destino para o quel teve tempo de se preparar.

A história de amor tem pouco mais de uma década.

Mas, Catherine, é apenas mais uma plebeia de uma longa lista de jovens coroadas.

As responsabilidades não a assustam pois conta com a preciosa ajuda do noivo, como ela admite:

“É uma perspetiva intimidante mas, felizmente, espero ser capaz. Williams é um bom professor por isso pode ajudar-me ao longo do caminho”.

O amor antes de tudo. Assim defendeu Eduardo VIII quando, depois da morte do pai, em 1936, devia suceder ao pai escolheu abdicar para casar com a mulher que amava, Wallis Simpson, uma americana divorciada duas vezes, o que era inaceitável para o protocolo britânico.

Com a reviravolta, quem subiu ao trono com Jorge VI, não foi uma plebeia mas também não foi uma princesa: Elisabeth Bowes Lyon era nobre, tinha contraído matrimónio com o futuro rei em 1923 e, à data da morte do terceiro representante da casa de Windsor, ficou conhecida como Rainha Mãe.

Aberto o precedente, nenhum dos filhos de Isabel II casou com uma princesa do mesmo rang. Carlos, nas primeiras núpcias escolheu Diana, uma nobre Spencer. Mas em 2005 caou com a mulher que amava há muitos anos, a plebeia e divorciada Camilla Parker Bowles.

William et Kate obtiveram o acordo da Rainha. Não era obrigatório mas era preferível. O leque de escolha ao nível da realeza europeia não era grande e todas as jovens podiam ter sonhado estar no lugar de Kate…com exceção das católicas. O Príncipe Ichael de Kent, por exemplo, como escolheu para mulher a baronesa católica Marie-Christine von Reibnitz, ficou excluído da linha de sucessão.

As monarquias europeias seguem a mesma tendência com os casamentos entre príncipes e plebeias que têm sido muito populares. De Espanha à Suécia, passando pela Dinamarca, os herdeiros dos tronos decidiram escolher as almas gémeas em nome do amor, sejam publicitárias, jornalistas divorciadas ou professores de ginástica.

Catherine tem ainda muito a aprender para desempenhar o papel de princesa, o que é um trabalho a tempo inteiro. Para já, atribuem-lhe nobreza do coração necessária.