Última hora

Última hora

Iémen e Afeganistão reagem à morte de Bin Laden

Em leitura:

Iémen e Afeganistão reagem à morte de Bin Laden

Tamanho do texto Aa Aa

No Iémen, a oposição apela aos manifestantes para não exibirem cartazes de Bin Laden. Há três meses que o país é palco de protestos para derrubar o presidente e os opositores temem que Ali Abdullah Saleh intensifique a repressão se houver mostras de descontentamento com a morte de Bin Laden.

O Iémen é a terra natal do pai do fundador da Al-Qaeda. Mas o governo sempre se mostrou como um aliado dos Estados Unidos na luta contra o terrorismo.

Há quem esteja descontente com a forma como foi tratado o cadáver. Um residente de Sanaa diz que “é uma falta de respeito para os árabes” e que se Bin Laden tem nacionalidade saudita, a Arábia Saudita deveria reclamar o corpo”.

Já uma mulher admite sentir “pena dele como se ele fosse iemenita”. Mas, como “fez coisas horríveis”, pensa que “merecia morrer um milhar de vezes e não apenas uma”.

Entretanto, os manifestantes continuam a exigir a saída do presidente Ali Abdullah Saleh que governa o país há quase 33 anos.

Em Cabul, a capital afegã, as autoridades estão em alerta máximo. Por um lado, temem ataques da Al-Qaeda, como represália pela morte do seu líder. Por outro, os talibãs afegãos já tinham anunciado a “ofensiva da primavera” contra as tropas estrangeiras no país.

Um residente considera que a guerra contra o terrorismo no Afeganistão já não faz sentido porque “Osama bin Laden foi encontrado por americanos no Paquistão e há pessoas que continuam a morrer vítimas dos bombardeamentos no Afeganistão”. Por isso, apela ao governo para se questionar sobre “por que é que a NATO está a bombardear zonas no Afeganistão quando o terrorista foi encontrado no Paquistão.”

Mas a NATO não pretende baixar a guarda até transferir a responsabilidade de todas as operações militares para as tropas afegãs no final de 2014.

Esta terça-feira, 25 supostos talibãs morreram ou ficaram feridos numa operação conjunta da NATO e dos militares afegãos, no leste do Afeganistão.