Última hora

Última hora

A alma de uma nação jovem

Em leitura:

A alma de uma nação jovem

Tamanho do texto Aa Aa

A alma de qualquer país é a sua herança cultural e, para os macedónios, ela tem uma importância vital. Vamos descobrir como a vida cultural desta nação está viva e em desenvolvimento desde a independência em 1991.

Boris Trajanov, um dos ícones da cultura macedónia, é famoso pela sua interpretação na “Tosca”, de Puccini. Um papel pelo qual é considerado um dos melhores do mundo.

“A Macedónia é um país muito jovem, mas com um grande passado, porque existe há mais de 2500 anos. Sentimos que temos uma obrigação para com a nossa cultura, para com a nossa música, a nossa representação: ser embaixadores do nosso país”, explica Trajanov.

O novo centro de ópera e ballet macedónio tornou-se num dos polos culturais mais importantes de Scópia e apresenta um conjunto de performances variadas que atraem grandes multidões.

A tradição musical do país é rica e esta herança cultural passa de geração em geração.

O ator, Dejan Lilic, ficou conhecido pelo seu papel em Hamlet, de William Shakespeare. Enquanto prepara a estreia da nova peça, na sala que gere, fala sobre o renascimento cultural do país.

“Estou feliz porque a cultura está de volta. Talvez tenhamos esquecido a cultura e como vivê-la durante 20 ou 30 anos, porque tinhamos muitos problemas e questões. Mas agora quando paramos e respiramos, a cultura está de volta, no teatro, nos concertos, na literatura”, adianta este actor.

Não é uma surpresa quando vemos uma sala cheia na estreia de “Demónios” de Dostoevsky.

Os macedónios esperam que a sua herança cultural, a velha e nova, ajude a tornar a nação mais visível no palco mundial.

Há ainda projectos culturais destinados aos jovens. Um poeta está a tentar impulsionar a leitura e o gosto pela poesia nas escolas.

A leitura de poemas de amor, do macedónio Blaze Koneski, capta a audiência num café, no centro da cidade.

Para o performer Ljupcho Todorovski-Upa “há muitas pessoas que gostam de poesia mas, como sabe, a leitura da poesia é individual, não colectiva. Os leitores têm medo de estar sozinhos. Eu quero fazer com que se sintam destemidos, dizer-lhes que não estão sós. Eles pertencem a uma grande família”.

Outro exemplo da herança cultural macedónia é Ohrid, património da humanidade reconhecido pela UNESCO. Alguns estudiosos acreditam que foi aqui, nesta localidade do sul do país, que foi criado o cirílico. Verdade histórica ou não, o facto concreto é que este é um lugar inspirador e que permite dar asas à imaginação.

Não há dúvida que os macedónios têm grandes desafios pela frente até conseguirem o equilíbrio em todos os aspetos das suas vidas e para assegurar águas tranquilas, o que é crucial.