Última hora

Em leitura:

Guterres: UE deve ser solidária com Tunísia e Egito para a democracia ganhar


mundo

Guterres: UE deve ser solidária com Tunísia e Egito para a democracia ganhar

A revolução e as mudanças de regime no norte de África estão a ter custos altos para as populações. Muitos africanos que procuram refúgio noutros países não vêm o fim dos problemas. Por isso contactámos o Alto Comissário da ONU para os refugiados, António Guterres:

Neal O’Reilly, euronews – A Europa tem uma crise humanitária para resolver e o senhor descreveu a resposta como relutante e insuficiente. O que acha que os Estados membros devem fazer?

António Guterres, Alto Comissário da ONU para os refugiados – Quando falei de uma resposta exígua, não me referia à crise libia em si , mas ao facto de que dois países, a Tunísia e o Egito, viveram revoluções depois das quais há muitas possibilidades de que prevaleça a democracia.

Mas há um risco muito elevado de que os extremistas sequestrem essas revoluções, por isso é absolutamente crucial mostrar à Tunísia e ao Egito o mesmo tipo de solidariedade que se mostrou a Portugal nos anos 70 e que permitiu consolidar a democracia.

euronews – Advoga uma acção a nível europeu, portanto, partilha a opinião da Itália de que os outros estados membros devem fazer mais para ajudar?

A.G. – Acho que é absolutamente crucial contar com o apoio total da Europa, do mundo desenvolvido em geral, para garantir a predominância da democracia, para nos assegurarmos de que aTunísia e o Egito são capazes de se converter em Estados democráticos modernos e de superar as enormes dificuldades e desafios que enfrentam. E sejamos claros, até agora não se viu a Europa, os Estados Unidos ou outros países do mundo desenvolvido dar suficiente apoio nesta complexa batalha das populações.

euronews – O senhor mesmo reconheceu que alguns imigrantes tunisinos estão a aproveitar-se da situação para encontrar uma vida melhor na Europa. Se for esse o caso, como convence a Europa e os europeus, que devem aceitar mais pessoas?

A.G. – A imigração é essencial na vida europeia atual, e é melhor fazer as coisas de forma organizada, é melhor oferecer possibilidades reais à imigração legal do que deixar os traficantes beneficiarem da necessidade europeia de imigrantes. Isto se houver uma atitude irracional e negativa para a imigração.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Mais nove civis mortos na Síria