Última hora

Última hora

Strauss-Kahn: a grande ausência no encontro dos ministros europeus das Finanças

Em leitura:

Strauss-Kahn: a grande ausência no encontro dos ministros europeus das Finanças

Tamanho do texto Aa Aa

A reunião dos ministros europeus das Finanças arrancou esta segunda-feira em Bruxelas, ensombrada pelo escândalo que envolve o diretor do Fundo Monetário Internacional.

Nemat Shafik, diretora-geral adjunta do FMI, substitui Dominique Strauss-Khan num encontro decisivo para a aprovação do resgate financeiro a Portugal, como destaca a ministra francesa das Finanças, Christine Lagarde: “Não posso mais do que ficar contente pelo diálogo entre o Banco Central Europeu, a Comissão e o Fundo Monetário Internacional, que estará seguramente representado, continuar. Temos problemas sérios para resolver nomeadamente no que respeita ao plano de apoio a Portugal, o financiamento da Grécia. São esses os assuntos que vamos examinar.”

Dominique Strauss-Kahn estará ausente, mas sempre presente, quanto mais não seja pela representante do FMI.

“À semelhança de outras organizações, a instituição está suficientemente bem organizada para fazer face à ausência temporal do seu diretor,” diz o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble.

Para que não restem quaisquer dúvidas, o porta-voz da Comissão Europeia, Amadeu Altafaj, assegurou que o caso Strauss-Khan não vai passar da porta do encontro, já que outros problemas falam mais alto: “Este assunto não deve ter qualquer impacto sobre os programas de ajuda à Grécia, Irlanda e Portugal.”

À chegada à reunião, o ministro português das Finanças, Teixeira dos Santos, manifestou-se “confiante” na aprovação do resgate de 78 mil milhões de euros para Portugal.