Última hora

Última hora

Berlusconi: Fim de uma era?

Em leitura:

Berlusconi: Fim de uma era?

Tamanho do texto Aa Aa

Primeiro foi a derrota nas eleições autárquicas, depois, no referendo. A comunicação social fala do fim da era Berlusconi.

Esse é o tema da conversa com Sergio Romano, jornalista historiador e diplomata, connosco a partir de Paris.

Euronews:
Berlusconi pediu aos italianos para não votarem, mas eles fizeram exatamente o contrário. Acha isto suficiente para se falar de “o fim de uma era”?

Sergio Romano:
Não é suficiente para se falar de “o fim de uma era”, mas, é sem dúvida a mensagem mais clara e direta que Berlusconi podia receber. Obviamente que a agora há que esperar para ver quais são as consequências políticas deste aviso.

Euronews:
Qual o cenário político que antevê?

Sergio Romano:
Começaria por dizer que os políticos nunca abdicam do poder por moto próprio. Não abdicam por serem justos, porque quererem dar lugar às novas gerações, ou porque o país precisa de uma mudança… Eles só abdicam quando os colegas do partido, ou das coligações, os pressionam porque vêm no líder uma ameaça para o futuro político deles.

Foi o que aconteceu com Margaret Thatcher e com Gordon Brown. Na realidade, os líderes políticos abdicam do poder quando os próprios

correligionários lhes dizem para se ir embora.

Até agora, ninguém do partido dele, nem da Liga lhe disse que devia afastar-se.

Euronews:
Espera um volte face dos aliados de Berlusconi, da Liga Norte, que disseram estar fartos de derrotas?

Sergio Romano:
Penso que a Lega se sente muito embaraçada e talvez encurralada. O desaire foi muito grande, especialmente para a Lega que perdeu muitos dos votos com que contava.

Nesta altura a Liga começa a achar que Berlusconi deixou de ser uma vantagem, e pode mesmo ser um embaraço. Mas a Liga sabe que o seu programa eleitoral, o federalismo, tem mais hipóteses de ser aprovado se o governo cumprir o seu mandato integralmente. Os projetos de lei apresentados poderiam assim ser aprovados. Assim, a Itália corre o risco de um declínio lento, porque não haverá eleições antecipadas.