Última hora

Última hora

Moscovo e Pequim contra ingerência externa nas crises árabes

Em leitura:

Moscovo e Pequim contra ingerência externa nas crises árabes

Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia e a China manifestaram-se contra a ingerência estrangeira nas crises políticas dos países árabes.

A formulação, geral, destina-se às potências ocidentais que buscam uma resolução no conselho de segurança da ONU contra o regime sírio.

O presidente chinês Hu Jintao encontra-se em visita oficial à Rússia. A declaração foi efetuada após uma reunião com o chefe de Estado russo Dmitry Medvedev.

Ambos os países dispõem do direito de veto no conselho de segurança. Em fevereiro abstiveram-se na votação da resolução 1973 relativa à Líbia que abriu portas à intervenção militar da NATO. Moscovo e Pequim denunciaram em seguida a interpretação ocidental. Agora não pretendem que suceda o mesmo com a Síria e ameaçam vetar qualquer resolução contrária ao regime de Bashar al-Assad.

Além das questões de política internacional, os dois países querem desenvolver a cooperação económica, e em particular na área energética. A China e a Rússia devem assinar em breve um contrato para o fornecimento de gás durante os próximos trinta anos.