Última hora

Última hora

Alberto: a realização de um Príncipe com tempo

Em leitura:

Alberto: a realização de um Príncipe com tempo

Tamanho do texto Aa Aa

Chegou a hora de Alberto II, o aprendiz que tantos anos se fez discreto ao lado do Príncipe Rainier, brilhar no firmamento da realeza europeia. Não apenas or causa do matrimónio real mas também pelas acções de defesa ecológica a que ligou, desde início, o principado.

Aos 53 anos, e depois de dez de relacionamento com a campeã de natação olímpica, Charlene Wittstok, oferece ao Mónaco uma princesa sul-africana com ares de sereia.

Alberto teve dois filhos de relacionamentos efémeros que reconheceu, mas que não podem aceder ao trono.

Segundo filho do mítico casal Grace e Rainier, Alberto tinha 24 anos quando concluiu os estudos de Ciências Políticas nos Estados Unidos. A tragédia abateu-se no Principado em 1982, quando a Princesa Grace morreu num acidente de automóvel.

Desde então, Alberto passou a viver em Montecarlo epreparou-se, ao longo dos temmpos, para suceder ao pai.

AS irmãs tinham as próprias tragédias pessoais para viver e um outro tipo de reino no coração dos fãs da imprensa que faz sonhar. O herdeiro passou a viver longe da ribalta.

Carolina casou, teve três filhos, enviuvou, a família manteve-se unida nos principais momentos.

A hora de Alberto soou com sucessão em 2005, quando morreu Rainier, depois de 56 anos no trono monegasco.

Em meados dos 90, quando a saúde começou a ficar mais frágil, Rainier chegou a pensar em abdicar. O filho era muito popular no Principado e estava cada vez mais envolvido na gestão dos assuntos quotidianos, mas a Alberto faltava-lhe algo.

Uma família de sonho com a dos pais. Escolher uma noiva perfeita revelou-se algo mais difícil do que triplicar o solo do Principado.

Sempre desejoso de defender o principado, Alberto recusou a etiqueta de paraiso fiscal vinculada ao Mónaco e tentou corrigir a imagem estereotipada do palácio, do casino e do turismo de luxo.

Desportista confirmado, participou no Paris Dakar, e várias vezes seguidas nos jogos olímpicos na equipa monegasco de Bosbleisgh. Também praticou Judo, atletismo e esqui.

Mas a ecologia é a principal paixão. Criou a Fundação Príncipe Alberto II de Mónaco dedicada à proteção ambiental e dirigiu uma expedição ao Pólo Norte para alertar a opinião pública para as mudanças climáticas.

Em 2000, Alberto conheceu a Charlène, a bela sul africana. A relação foi construida durante o difícil processo de reconhecimento de uma dos filhos ilegítimos. Mas três anos depois, o príncipe e a nadadora davam as mãos para não se separar.