Última hora

Última hora

Silk Road Project: Fusão musical e cultural

Em leitura:

Silk Road Project: Fusão musical e cultural

Tamanho do texto Aa Aa

O Silk Road Project nasceu de uma fusão musical entre o Ocidente e o Oriente.

O mediático violoncelista Yo-Yo Ma é o fundador do projecto que procura recuperar as heranças dos países atravessados pela Rota da Seda e identificar as vozes que representam essa tradição na atualidade.

A Euronews entrevistou Yo-Yo Ma em Nova Iorque, uma cidade multicultural, tal como o percurso do próprio violoncelista de ascendência chinesa.

Yo-Yo Ma nasceu em Paris. Aos sete anos de idade partiu com a família para os Estados Unidos. Ingressou na Juilliard School e estudou com Leonard Rose.

“O que mais gosto em Nova Iorque é que tem uma grande diversidade de pessoas de todo o mundo e há uma interação constante”, confessa Yo-Yo Ma.

Uma interação vital para o Silk Road Ensemble, o grupo que encarna o projecto. O intercâmbio cultural é palavra de ordem os cerca de 60 elementos oriundos de mais de 20 países.

“Penso que trabalhar em grupo requer uma coisa fundamental: confiança mútua. É preciso desenvolver essa confiança”, diz Yo-Yo Ma.

O projeto tem o nome da famosa Rota da Seda, que durante dois mil anos ligou a China ao Mediterrâneo.

A criação de novas composições é fundamental para os artistas. “Silent City” foi escrita por Kayhan Kalhor, um iraniano que integra o grupo e toca kamanche, um instrumento de cordas do Irão.

As visitas mútuas fazem parte do intercâmbio cultural.

“Gostaria de visitar Kayhan em Teerão ou Sandeep em Nova Deli ou Alim no Azerbaijão. Assim poderia compreender a sociedade e as famílias que a compõem. Isso proporcionaria um maior entendimento. É como conhecer os pais da nossa namorada”, desabafa o violoncelista.

A energia de Yo-Yo Ma parece inesgotável. O reputado violoncelista não só recebe imensas solicitações para tocar com as melhores orquestras do mundo como ainda encontra tempo para ajudar os novos talentos: “Adoro talento. Adoro ver pessoas com uma certa chama. Se não têm a chama gosto de vê-los desenvolvê-la. Ao conseguirem esse algo que os torna diferentes, querem fazer coisas. Querem mostrar ao mundo do que são capazes. Aí coloca-se a pergunta: Tenho alguma coisa para lhes oferecer? Regra geral não, porque sabem bem o que querem, mas este velho estará sempre disposto a ajudar”, desabafa Yo-Yo Ma.

Nesta edição de Música poderá ouvir fragmentos de “The Giant’s Dream” e “Crying Song”, ambas de Gabriela Lena Frank, incluídas no àlbum “¡Chayraq!”. Poderá ainda ouvir “Final Movement”, composição de Kayhan Kalhor.