Última hora

Última hora

Jornalistas raptados no Afeganistão: "nunca fomos maltratados"

Em leitura:

Jornalistas raptados no Afeganistão: "nunca fomos maltratados"

Tamanho do texto Aa Aa

Chegou ao fim o pesadelo para os dois jornalistas franceses raptados no Afeganistão há um ano e meio pelos talibãs.

Hervé Ghesquière e Stéphane Taponier aterraram na base militar de Villacoublay, nos arredores de Paris, por volta das 09h00 onde foram recebidos pelo presidente francês e por familiares.

Os jornalistas que no momento do rapto estavam ao serviço da estação televisiva France3 estão, ao que tudo indica, bem de saúde.

Separados, logo a seguir à captura, os ex-reféns afirmam ter sido bem tratados:

“Representávamos qualquer coisa de valor para os talibãs. Nunca fomos ameaçados de morte ou maltratados. O mais difícil foram as condições de vida” afirma Stephane Taponier.

“Há ainda muitos reféns em todo o mundo e o meu pensamento está com eles. Com aqueles que continuam presos e com os que foram mortos durante operações de resgate. Há franceses que foram mortos no Níger e uma britânica no Afeganistão” refere Hervé Ghesquière.

Desconhecem-se as circunstâncias da libertação.

O governo francês insiste que não foi pago qualquer resgate.

Os jornalistas foram capturados em dezembro de 2009 na província afegã de Kapisa, a cerca de 60 quilómetros de Cabul, uma região onde estavam estacionadas tropas francesas.