Última hora

Última hora

Síria: Crimes contra a humanidade?

Em leitura:

Síria: Crimes contra a humanidade?

Tamanho do texto Aa Aa

Na cidade de Hama, quarta-feira as forças sírias cercaram centenas de pessoas um dia depois de terem morto 22 civis.

Hama tem sido palco de algumas das maiores manifestações contra o regime do presidente Bashar al-Assad, e onde se registou uma sangrenta repressão contra manifestantes islâmicos há cerca de 30 anos.

A Amnistia Internacional defende que a repressão das manifestações pró-democracia, em maio, em Tall Kalakh, aparenta ser um crime contra a humanidade.

Aquela organização denuncia o que, a seu ver, pode ser objeto de julgamento pelo Tribunal Penal Internacional.

“Constatámos detenções arbitrárias, mortes em prisões e torturas.

Apelamos ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, para levar esta situação perante o Tribunal Penal Internacional, porque existem indicações claras de que podem ter sido cometidos crimes contra a humanidade em grande escala”, disse um responsável da Amnistia Internacional.

As tropas sírias intervieram em meados de maio em Tall Kalakh, perto da fronteira com o Líbano, para reprimir a contestação ao regime de al-Assad. Pelo menos 26 pessoas foram mortas e dezenas ficaram feridas.

A repressão do regime sírio já matou mais de 1.300 civis.