Última hora

Última hora

Bruxelas quer travar a pesca excessiva

Em leitura:

Bruxelas quer travar a pesca excessiva

Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia apresenta, esta quarta-feira, um projeto de reforma da Política Comum das Pescas. O objetivo é garantir a sustentabilidade do setor e lutar contra a pesca excessiva.

Por exemplo, a partir de 2013, será proibido deitar fora as capturas acidentais. Mas a proposta traz à tona várias críticas. Em Boulogne-sur-Mer, no norte de França, os pescadores estão preocupados.

“Para começar, não temos espaço a bordo para armazenar as capturas acidentais. E depois, é preciso ver o que se considera como capturas acidentais. Se deitamos fora o peixe é porque, infelizmente, não temos quotas suficientes. Por isso, somos obrigados a deitar fora até o peixe com o tamanho autorizado”, considera um pescador.

O presidente do Comité francês das Pescas teme que a captura de certas espécies fique muito limitada. Pierre-Georges Dachicourt exemplifica com um robalo: “Este é o tamanho mínimo, mas eles querem aumentá-lo. Isso provocará mais capturas acidentais inúteis e sem nenhuma razão científica porque, com este tamanho, o peixe já se reproduziu.”

A reforma pretende atribuir aos barcos com mais de 12 metros e a todos os que têm redes de arrasto, quotas que podem ser vendidas. O objetivo é reduzir o tamanho da frota pesqueira europeia.

Mais uma vez, o presidente do Comité francês das Pescas mostra-se preocupado: “Isto vai colocar todo o dinheiro e todo o peixe nas mãos dos grandes capitais. Haverá algumas centenas de pessoas a controlar as coisas e acaba-se a pequena pesca artesenal, acaba-se com a atividade destas pessoas que garantem diariamente o desenvolvimento da sua região e do litoral.”

Ainda que os pescadores temam que a reforma lhes reduza o número de saídas para o mar, a Comissão Europeia responde que três quartos dos stocks de peixe são capturados a níveis insustentáveis.