Última hora

Última hora

Israel legisla contra boicote aos colonatos judeus

Em leitura:

Israel legisla contra boicote aos colonatos judeus

Tamanho do texto Aa Aa

É proibido boicotar os colonatos de Israel.

Os movimentos anticolonização perderam a primeira batalha contra o lobby dos colonos e da extrema direita israelita, que conseguiram aprovar uma lei que proibe o boicote das atividades e produtos originários dos colonatos judeus na Cisjordânia.

A lei foi adotada ontem com a oposição do conselheiro jurídico da Knesset, que alertou para o facto de chocar com a liberdade de espressão e poder vir a ser anulada pelo Supremo Tribunal. Sete ministros abstiveram-se, mas para o titular da Pasta de Ciência, Daniel Hershkowitz, a lei está justificada:

“Boicotar os produtos israelitas ou os produtos produzidos em qualquer parte de Israel, é uma ação económica contra o Estado de Israel. E como a cada Estado deve eutodefender-se, Israel tem de impedir esse tipo de ações”

O caso ganhou amplitude há uns meses, quando uns atores conhecidos se negaram a atuar no teatro de Ariel, um dos principais colonatos judeus na Cisjordânia.

A nova lei contempla importantes multas até 10.000 euros a quem apele ao boicote, que também se sujeita a pagamento de indemnizações.

52% dos israelitas apoiam a lei, nomeadamente os colonos:

“Não gostava que me boicotassem e também não quero que outros grupos minoritários em Israel sejam boicotados. Não quero que boicotem os árabes, nem os etíopes, por isso não vejo por que é que temos de boicotar aos colonos. Com que objectivo?”

O problema,considera o professor de Direito, Michael Karayanni, é para a democracia israelita:

“O primeiro problema com a lei é que faz com que boicotar algo se converta, de algum modo, numa ação ilegal, porque é um ato civil ilícito segundo a lei, mas boicotar sempre foi uma forma de protesto e protestar é parte integrantesda democracia”.

Outro problema é a discriminação estabelecida pela lei que não proibe, por exemplo, de apelar ao boicote da carne de porco, como fazem os ultra ortodoxos ou aos consumidores para protestar contra o custo da vida.