Última hora

Última hora

Maria Damanaki responde às críticas dos pescadores

Em leitura:

Maria Damanaki responde às críticas dos pescadores

Tamanho do texto Aa Aa

Maria Damanaki, comissária europeia

das Pescas e dos Assuntos Marítimos, apresenta o projeto de reforma da Política Comum das Pescas como uma forma de garantir a sustentabilidade do setor. Em entrevista à euronews, a comissária deixa um alerta, em resposta às críticas dos pescadores: “Se não fizermos nada, apenas oito de 136 espécies de peixe estarão em bom estado dentro de uma década”.

euronews: “Esta reforma é o seu projeto. Comecemos pela transferência de quotas que quer implementar. Os pescadores em alguns países e algumas ONG’s dizem que corresponde a privatizar recursos públicos. O que lhes responde?”

Maria Damanaki: “A privatização de recursos é um assunto que não nos passa pela cabeça. Pelo contrário. O nosso objetivo é preservar os recursos. E vamos permitir aos proprietários dos navios que usem esses recursos por algum tempo.”

euronews: “Os pescadores também dizem que isto vai conduzir a uma pesca mais industrializada porque os barcos pequenos vão vender as suas quotas aos grandes, o que representaria o fim da pesca artesanal…”

Maria Damanaki: “Deixe-me dizer claramente que os governos podem excluir, por completo, os pequenos pescadores do seu sistema. Vamos proteger as áreas costeiras porque temos um fundo especial para a pesca em pequena escala. Vamos tentar reduzir a excessiva capacidade dos grandes navios, dos navios que têm redes de arrasto porque temos boas razões para isso. Se não fizermos nada, apenas oito de 136 espécies de peixe estarão em bom estado dentro de uma década. Logo, eles não os vão poder pescar.”

euronews: “Deitar peixe ao mar vai ser proibido. O que é que as pessoas vão fazer com as capturas acidentais que não estão autorizadas a vender? O que quer que elas façam?”

Maria Damanaki: “Esse é um problema a resolver. Tenho de o admitir e estamos a trabalhar nisso. A nossa proposta não passa por proibir as capturas acidentais já amanhã. Precisamos de um tempo de transição. Deixe-me explicá-lo de forma simples: se disser a um pescador que deve pescar uma quantidade limitada, ele vai deitar fora o que tem em excesso. Por isso, o que vamos fazer é dizer-lhes que devem levar tudo para terra e juntos vamos resolver o problema e ver o que fazer com o peixe. Há peixe bom que se pode vender, ou seja, que é rentável. Mas também há peixe bom e menos rentável, vejamos o que podemos fazer com ele. Podemos congelá-lo, processá-lo, dá-lo aos pobres mas não atirá-lo de volta ao mar.”