Última hora

Última hora

Rússia: Luto e indignação

Em leitura:

Rússia: Luto e indignação

Tamanho do texto Aa Aa

Está confirmada a morte de 116 pessoas no naufrágio do rio Volga.

A Rússia celebra um dia de luto nacional com cerimónias religiosas um pouco por todo o país. O presidente Dmitry Medvedev recolheu-se na capela privada da sua residência nos arredores de Moscovo, mas nem ele nem o primeiro-ministro se deslocaram a Kazan, onde estão reunidos os familiares das vítimas.

No porto de Kazan foram lançadas flores ao rio, enquanto a três quilómetros decorrem as operações de remoção dos corpos.

Esta manhã, as equipas encontraram a sala de jogos onde se encontravam cerca de 30 crianças. Os corpos de 11 foram já retirados do interior do navio.

As famílias oscilam entre a dor e a cólera. Todos se perguntam como pode semelhante tragédia acontecer?

“Isto não aconteceu sem razão. Porque é que um barco assim é autorizado a navegar. Não posso dizer mais nada. Não tenho palavras… “, afirma uma mulher.

“Penso que é tudo negligência por parte dos que dirigem os transportes e dos responsáveis da companhia. Sabe, no nosso país não há normas em quase nenhuma área”, acusa um homem.

O Bulgária realizava um cruzeiro no rio Volga. O barco, com mais de cinquenta anos, tinha capacidade para apenas 140 pessoas e transportava 208, 25 das quais nem sequer estavam registadas.

Segundo as autoridades russas, o navio não tinha licença para os serviços que prestava e deixou o porto de Kazan com uma avaria no motor esquerdo.

A imprensa russa fala de negligência criminosa, irresponsabilidade e corrupção.